Drones…Aéreos, Terrestres e Marítimos (2 de 3)

Na primeira parte deste post fiz uma breve descrição da minha experiência com a construção de um pequeno drone, dos componentes que o constituem até aos primeiros voos. Como a curiosidade não termina e a vontade de fazer coisas novas persiste, este projecto não se ficou por aqui e continuou a evoluir!

A evolução

Teste feito com os primeiros voos bem-sucedidos, problemas registados e lições aprendidas, é tempo de evoluir os objectivos do projecto!

Nesta fase comecei a pesquisar formas de optimizar o drone, pois um outro problema registado foi a sua baixa autonomia. Sobre este tema, poderíamos escrever uma tese sem resultados conclusivos, senão vejamos: a autonomia de um drone é definida pela capacidade da sua bateria e o consumo feito pelos componentes “a bordo”. Atendendo a que não podemos reduzir o consumo dos motores, pois isso faria com que o drone simplesmente não levantasse do chão, a solução aparentemente óbvia passa por aumentar a bateria. Mas uma bateria com maior capacidade, significa uma bateria maior em dimensões e mais pesada. Mais peso, mais força precisamos para elevar o conjunto, logo maior o consumo por parte dos motores. Já dá para perceber o dilema desta situação…a chamada “pescadinha de rabo na boca”. Existem algumas referências de experiências feitas por elementos da comunidade sobre qual poderá ser a bateria ideal, no entanto não há uma resposta certa. Existe sim, uma premissa base e que deve ser encarada como regra de ouro: manter o drone o mais leve possível!!

WS2A8580

Como já tinha aquele que é possivelmente o melhor controlador para este tipo de projectos amadores, não faria sentido substitui-lo, no entanto tudo o resto havia sido adquirido com base num reduzido orçamento, sem a mínima preocupação com outros factores, desde que a configuração final conseguisse levantar voo. Por este motivo, a primeira alteração foi a armação! Após algumas pesquisas, percebi que poderia reduzir algum peso se substituísse a armação que tinha por outra relativamente mais leve e assim fiz. Uma outra alteração foi a bateria, não por opção mas porque a bateria inicial estava morta, pelo que tive de arranjar substituta e aproveitei para colocar uma bateria com um melhor rácio entre peso e capacidade. Relativamente à estabilidade, fiz algumas alterações na caixa que continha o controlador para que esta estivesse perfeitamente nivelada e assim evitar as constantes compensações.

WS2A8595

Fui realizando algumas experiências de voo à media que estas alterações iam sendo feitas e fui obtendo resultados positivos, apesar de ainda haver muitos aspectos a melhorar (incluindo a optimização dos motores que está actualmente em progresso). Estas foram as principais evoluções do projecto no que diz respeito ao hardware.

WS2A8592

Relativamente ao controlador, depois das primeiras tentativas de voo por controlo remoto, queria também explorar outras potencialidades – a principal na altura, a realização de percursos pré-definidos autonomamente, ou seja, sem qualquer controlo remoto e apenas guiando-se por GPS. Relembro que comprei este controlador em 2012 e já na altura era possível criar um drone com “missões” autónomas, pois o mesmo permite ligar um pequeno chip GPS e obter dados de geo-referenciação em tempo real. Hoje no mercado ainda não existem muitas soluções que o permitam e as que existem ainda estão a preços pouco simpáticos. Usando novamente o software do controlador Ardupilot, programei algumas rotas, sendo apenas necessário definir os pontos no mapa e alguns parâmetros essenciais, como a altitude a cada ponto, o ponto de partida e de chegada e o que deve o drone fazer quando termina a missão (pode aterrar, esperar na posição do último ponto, repetir a missão, entre outras opções).

Para usar este modo de missão autónoma, deparei-me com uma nova necessidade – um rádio controlo que disponibilizasse mais canais, para poder ativar e desativar este modo. Assim, tive de comprar um novo comando, desta vez com 9 canais, dando resposta às necessidades actuais e outras futuras que venham a surgir (controlo da camera de filmar, quem sabe?!).

WS2A8591

Na terceira e última parte deste post, irei descrever o estado actual (especificações) do drone e futuras ideias nesta área!!

2 thoughts on “Drones…Aéreos, Terrestres e Marítimos (2 de 3)

Comentários