Dizem que sou anti-social…

Dizem que sou anti-social…e se calhar têm razão! Nos dias que correm, com tanta “tralha social”, como raio um tipo se pode manter anti-social?!  Será possivel? Dei por mim a divagar sobre o tema e vejamos…

A malta quer juntar-se para um convívio de amigos! Combina-se então um jantar de amigos, daqueles amigos feitos antes de existir um botão “pedir amizade”…cenas à antiga, tínhamos de conversar, partilhar experiências e depois de alguma convivência lá nos tornávamos amigos (era bem mais complicado que hoje em dia!). Mas voltando ao jantar, enviam-se mensagens, criam-se eventos, definem-se pontos de encontro, tudo sem uma única palavra proferida, a tecnologia resolve!

Primeiro passo, definir o local – antes que alguém se arrisque a partilhar algum tipo de experiência ou sugestão, grande parte mergulha nos smartphones, usam-se aplicações de rating de restaurantes e lá se escolhe um devidamente bem posicionado no ranking, ainda que desconheçamos os critérios para essa posição ou quem realmente contribuiu para esse ranking mas confiando cegamente na opinião de desconhecidos escolhe-se o local.

Chegado o dia do referido repasto e demais convivência, à hora definida no evento é espectável que todos apareçam…enquanto isso não acontece, eu espero, outros divagam pelas redes sociais. Eles estão a socializar, eu nem por isso…

Uma vez reunido o grupo junto ao restaurante, as primeiras fotos para nunca mais recordar…afinal, quem tem um álbum (seja ele digital ou em papel) com estas fotos espontâneas tiradas com amigos?!…são fotos que morrem na galeria ou num qualquer backup online, nunca mais recordadas ou revistas, a não ser por mero acaso do destino. Outros há que dão mais algum uso às fotos e a fase seguinte à foto passa por um longo processo de edição gráfica, a noite fica dia, o bonito ganha sharp, o feio ganha blur, nalgumas um sépia resolve e lá vão as fotos devidamente manipuladas para as redes sociais, como se de um concurso World Press Photo se tratasse. Entretanto vou acompanhando este processo enquanto entramos e nos sentamos à mesa…

Entre ler a ementa e chegar o devido repasto, algum tempo para socializar…e para isso servem as redes sociais!!…lá vão eles, já os perdi novamente…entre check-ins para dizer ao mundo “estive aqui!!”, mais fotos para as redes sociais, do espaço, do menu, de…cenas ou apenas mais um deambular pelas novidades (leia-se cuscar o que os outros andam a fazer) e pelos contadores de likes e comments, lá se vai passando esta janela temporal!

Chegam os pratos e é o delírio!!! Não, não vamos finalmente saciar o estomago e matar o ‘bichinho’…vamos tirar fotos para mostrar ao mundo!!!

– “ESPERA, ESPERA!!…Não comeces…deixa tirar uma foto ao prato…à mesa…aos amigos à volta da mesa…aos amigos à volta da mesa com os talheres na mão…aos…”

PORRA!! A sério que é preciso todo este protocolo para comermos o raio de uma pizza, um bife ou uma salada?! Claramente aqueles pratos têm mais protagonismo que eu ou qualquer humano à mesa…isso faz de mim ainda mais anti-social?!…

Entretanto lá se podem desfazer as obras de arte culinária e a socialização ganha um descanso (ou uma breve pausa apenas) porque, terminado o prato, chegam as sobremesas e…

…adivinhem…

…mais fotos!! Se o prato principal é um bom modelo a fotografar, as sobremesas são uma espécie de anjos da Victoria Secret da culinária e não escapam às mais elaboradas produções fotográficas, seguidas de infindáveis edições gráficas e obviamente a respectiva publicação nas redes sociais…as espectativas para um boom de likes são elevadas!! E assim se faz um jantar de amigos!

Podemos seguir para um café ou bar para beber um copo mas não nos livramos de mais check-ins de onde estamos, fotos do bar, do copo, das bailarinas exóticas…e há os mais afoitos que arriscam uma caça ao Pokemon! E assim se faz um encontro de amigos, de aplicação em aplicação, de foto em foto, de like em like, eles lá vão socializando! E como este jantar, outros momentos seguem os mesmos rituais, seja num evento, numa festa, num encontro de amigos, nos transportes ou noutro local…a interação entre pessoas já não se faz directamente mas sim por via de dispositivos tecnológicos.

E eu…eu sou uma besta anti-social!! Dizem que sou anti-social…e se calhar têm razão!! Não estou ainda adaptado a esta forma de socialização e assim me quero manter… prefiro a forma antiga!

E por falar nisso caros amigos, quem paga a próxima rodada? “Likes & comments for beer!!”  😉 

Comentários