“Papá, quando vamos juntos andar de avião?” Ouvi esta pergunta vezes sem fim, sempre que me ia pôr ou buscar ao aeroporto, até que chegou o dia de viajarmos juntos. A ida ao Açores teve como intuito a primeira experiência de voo para a “Kika”, mas também para lhe dar a conhecer mais do nosso país para além do continente.

O PLANEAMENTO

Com os avós envolvidos nesta tarefa, foi decidir que fim de semana serviria para todos e perceber na escola que sexta (ou segunda) seria menos prejudicial para faltar (bom motivo!) às aulas. No iniíio do ano apontámos a data (meados de Março foi o mais favorável) e demos inicio à busca online de preços de voos, estadias, aluguer de carros, etc. Tivemos um apoio suplementar, já que os avós têm amigos na ilha que nos fizeram algumas indicações preciosas, às quais juntamos com dicas de amigos que conheciam S. Miguel e mais algumas ilhas. O planeamento levou-nos a optar por um voo de regresso com escala na Terceira, o que nos permitiu (alem de dois dias em S. Miguel) passar seis horas numa segunda ilha antes do regresso a casa. Hotel escolhido bem no centro da cidade (NEAT HOTEL) de Ponta Delgada, onde o critério escolhido era o BBB, ou seja BOM, BONITO e BARATO e assim foi! Superou as nossas expectativas, tanto na localização como na decoração, atendimento e no custo do mesmo. Foi tiro certeiro!

DIA #1

Chegamos cedo a Ponta Delgada (7:45) e em minutos estávamos a levantar o carro previamente alugado e iniciar a nossa viagem de fim de semana. Saímos directos para a Vista do Rei na esperança de conseguir desfrutar da belíssima vista sobre as lagoas e a povoação de Sete Cidades. Tivemos sorte!

O tempo esteve (sempre!) fantástico o que nos permitiu conhecer a ilha sem a tradicional chuva ou humidade constante. Rabo de Peixe foi o destino seguinte já com o Restaurante da Assoc. Agricola de S.Miguel em vista!

Muito afamando e repetidamente recomendado por vários amigos, decidimos experimentar e não podíamos ter ficamos mais agradados, simplesmente fantástico! As fotos comprovam o que testemunhamos, onde destacamos as carnes dos produtores locais com molho de queijo da Ilha ou maracujá (quem não gostar de natas, as Costeletas de Novilho davam “luta”). Após este repasto, seguimos em busca do chá (ajuda não ajuda?) e paragem obrigatória na Fábrica de Chá Gorreana, sendo que de seguida e para não perder o entusiasmo de visitar fábricas, visitamos em Ribeira Grande a fábrica de Licores Mulher de Capote, famosa pelo seu licor de Maracujá.

De regresso a Ponta Delgada, última paragem, para conhecer as estufas de ananás na afamada Casa Arruda.

Dia longo para os 5 (tínhamos saído de casa às 4h da manhã), depois de feito o check in no hotel, era hora de procurar jantar cedo e conhecer os lençóis e almofadas do NEAT. A busca foi rápida, sem referências para jantar na cidade e com o desejo da Kika por sopa, a escolha ocorreu a poucos metros do hotel na Taberna do Açor.

Meus amigos e amigas que tiro certeiro no Porta Aviões, com direito a afundanço! Fosse a sopa (servem sopa de peixe dentro do pão!) seja sandes/tostas (destacamos o Calafão), carne ou peixe na Pedra, esta Taberna é TOP, e em cima disso, quando recebemos a conta, aquele sorriso de quem fica feliz por comer bem e pagar pouco por isso. Fica tão mas tão recomendado que fomos lá jantar no segundo e derradeiro dia em S. Miguel!

DIA #2

Noite pare recompor o sono e cansaço e aí vamos nós rumo as furnas para conhecer o Parque de Terra Nostra e passar a manhã na Poça da Dona Beija.

Almoçar naquela zona e num sábado é missão quase impossível, e só com orientação de amigos locais conseguimos já em horas bem tardias, almoçar novamente na zona de Ribeira Grande. Com direito a guias durante a tarde, foi possível conhecer as furnas daquela região (desconhecidas de muitos), visitar o miradouro sobre a Lagoa de Fogo e terminar nos trilhos da Ribeira dos Caldeirões. As imagens dizem tudo! Regresso à base e nova visita à Taberna do Açor.




DIA #3

Pequeno almoço e check out feito, último tour pedestre pelas ruas de Ponta Delgada e regresso ao aeroporto para a entrega do carro e apanharmos um turboélice em direcção à Terceira com o voo de ligação.

Nova experiência de voo para a Kika que durou apenas 30 minutos aterrando nas Lages para 6 horas de espera, tempo suficiente para o último almoço pelas Ilhas desta vez no Sabores do Atlântico, bem juntinho ao Aeroporto onde comemos lapas e uma açorda de marisco…como dizer isto, divinal! Com 4 horas pela frente, decidimos seguir as dicas locais e visitar o Algar do Carvão, que estava fechado (ups)! Seguimos para as piscinas naturais em Biscoitos e daí, pela estrada junto ao mar que rodeia a ilha, parando onde nos apeteceu para uns registos, café em Angra e regresso às Lages para o voo para Lisboa. Duas horas de voo, chegada as 23:15 e regresso ao Vale Encantado porque segunda feira é dia de trabalho e escola.

Fim de semana perfeito, em boa companhia e com muita vontade de regressar! Fica na memória a gastronomia, o bem receber e as paisagens de cortar a respiração, sendo que para uma próxima fica a promessa de explorar as restantes ilhas do arquipélago em família ou regressar para um tour de moto que, confesso, fiquei rendido a quem passava e desfrutava da ilha em duas rodas…quem sabe se em breve… 😉

Written by Bruno Félix
.