Pois é, fomos dos primeiros a levar a nova cruiser clássica da BMW a um passeio durante um fim de semana, com o apoio da Motomil BMW Motorrad, que coincidiu com a realização do já habitual Distinguished Gentleman’s Ride, este ano numa vertente mais “individual”, tendo em conta os tempos que se vivem. 

E o que dizer de uma mota com este look? Sinceramente, falando até contra nós, achamos que a R18 é mais bonita ao vivo do que nas fotos! O seu estilo imponente, a posição de condução e até as cabeças de motor, são o que mais sobressai à primeira vista. Mas qual é a sensação de conduzir esta cruiser equipada com o maior motor boxer de produção, com 1.800cc? Já lá vamos! 

A Experiência

No fim de semana em que a R18 foi apresentada ao mundo, estivemos presentes em Almada, onde conseguimos ter o primento contacto com esta cruiser e ficámos realmente com água na boca para a levar a dar um passeio. 

O Ricardo foi quem nos recebeu e nos deu as primeiras indicações sobre a R18, uma delas bastante “intrigante”:  “metam os dois pés no chão quando colocarem a mota a trabalhar”. E não é que ele tinha razão? Poucos até agora sentiram o que é um motor big boxer de 1.800cc a trabalhar entre as pernas e o que é o “kick” que a própria mota dá. 

Quando a fomos buscar, já no fim de semana seguinte, tivemos a primeira experiência a sério com a R18 e quem diria que efectivamente uma cruiser com 345 kg se conseguisse mexer tão bem, seja apenas com 1 pessoa ou até com pendura? Pois bem, nós comprovámos isso!

Ao sair da Motomil, somos sinceros, as pernas tremiam. Tremiam porque nunca tínhamos conduzido uma moto tão pesada e também tão cara! Mas sem dúvida, até à primeira paragem no Museu dos Coches, o período de “inibição” durou pouco! Foram cerca de 300 km durante o fim de semana em que rolámos com a R18 e efectivamente não podemos deixar de dizer que gostámos imenso de os ter feito. Não pelas velocidades que atingimos, mas sim pelas estradas por onde passámos e pela forma como fomos obrigados a conduzir. Não estávamos habituados a motos desta envergadura, mas podemos concluir que passámos com distinção no teste, não acham?

A história do modelo e as specs 

Baseada na antiga BMW R5, lançada em 1936 e que veio abalar todo o mundo motociclistico à data, quiseram os engenheiros da BMW homenagear este antigo modelo, construindo algo que facilmente se pudesse inserir no mercado das cruisers, não deixando os detalhes por mãos alheias, em que a personalização é um dos pontos fortes desta tão distinta homenagem à R5.

São 1.800cc de capacidade de motor, 91 cv de potência e 150nm de binário disponíveis entre as 2.000 e as 4.000 rpm, que facilmente fazem com que os 345 kg de peso se tornem leves nas mais sinuosas curvas pelas quais passámos! Para terem ideia das specs completas, consultem este link.

Ainda assim, achamos que a R18 é um modelo muito específico, no qual os puristas e amantes da marca gostariam de ter, mas para o fazer, terão de preparar cerca de 28.000,00€. Se o preço é elevado? Se calhar é, para uma mota de dia a dia, mas para um coleccionador, vale todo o investimento!

O nosso DGR

Sem grandes combinações, seguimos com um grupo de amigos para o DGR, este ano com o conceito #ridesolo. Saímos de Arruda e seguimos até à Serra de Montejunto, onde está um dos pontos mais altos da nossa zona e onde se pôde comprovar que a R18 deu nas vistas!

O Resultado

Sem dúvida, foi com tristeza que nos despedimos da R18, mas sem dúvida que o sorriso na cara que nos acompanhou não será esquecido.

Queremos agradecer à Motomil que nos cedeu este fantástico modelo e em especial ao Ricardo Almeida que acompanha este nosso projecto já há algum tempo e que depositou a confiança para podermos ter o post que temos hoje! E não se esqueçam de fazer scroll pela nossa galeria de fotos e apreciar alguns dos pormenores desta fantástica moto!

Esperamos que tenham gostado! 

Cumprimentos, 
The B Blog Team

Written by the B blog
.