Como não podia deixar de ser, cá estamos nós a relatar a nossa recente experiência com esta tricilíndrica da marca de Hinckley.

Agilidade, precisão e desempenho, são os principais argumentos, que, aliados a um preço final bastante acessível, tornam a Trident um caso sério de sucesso, mas vamos lá relatar o que achámos dela!

A Experiência

Numa destas sextas-feiras, lá fomos nós à Triumph Lisboa buscar a Trident para mais um fim-de-semana de testes e eis que surge a primeira surpresa: a agilidade. Se antes nos sentíamos menos à-vontade para um “slalom” no meio do trânsito, a Trident , deixou-nos realmente com um sorriso na cara quando a começámos a usar no seu habitat natural – a cidade e as estradas sinuosas.

Durante os quase 400 km (!) que percorremos, demos verdadeiro uso ao potencial desta tricilíndrica, em que o mais difícil era mesmo circular dentro dos limites, claro que, para uma pessoa acima do 1,85m de altura, a aerodinâmica conte, confessamos que em auto-estrada o conforto fique um pouco aquém. Ainda assim, em nada fez com que a experiência em si fosse menos boa! 

Características

O motor tricilíndrico de 660 cc debita 81 cv e 64nm de binário em praticamente todo o regime do motor, garantindo uma linearidade impressionante! A travagem Nissin, a suspensão Showa e as jantes 17 equipadas com pneus Michelin Road 5, ajudam bastante ao comportamento excepcional da Trident, garantindo a confiança necessária para que até um “iniciante” possa explorar sem medos e com toda a segurança, as capacidades desta roadster de gama gama média. Ainda assim, podem consultar aqui a lista completa de especificações.

 

Em Resumo

De muito fácil condução, de estilo naked e arrojado, não descurando na qualidade de construção e com um motor tricilíndrico bastante linear em todo o regime de rotação, são também factores que fazem com que a Trident seja a porta de entrada perfeita para entrar no segmento das roadster.

É aqui que acreditamos que a Triumph, triumfará (passando a expressão): A Trident 660 é o resultado de uma aposta bem conseguida, que seguramente deixará as concorrentes directas Yamaha MT07, Kawasaki Z650 e a Honda CB650R bastante atentas quanto ao potencial desta mota.

A únicas coisas que achamos que fazia falta na unidade testada eram o quickshift, que efectivamente se tornaria um “game-changer” na experiência de condução e também uma sonoridade de escape um pouco mais “rouco”.

De notar é também o preço: a partir de 7.995 €, podemos ter acesso a este belo exemplar inglês, que seguramente continuará a fazer sucesso por onde passar.

Aproveitamos ainda para agradecer a oportunidade de teste à Triumph Lisboa e aos nossos parceiros Cool Garage e RSW Motowear, pelo equipamento utilizado.

Assim sendo, fiquem com a galeria de fotos e vejam lá se não é fantástica ?

Cumprimentos,

The B Blog Team

Written by the B blog
.